Na exposição online Conversando sobre Espiritismo: A oração, a trabalhadora da AEFC Júlia Fertig discute a importância da oração como uma forma de comunicação com o mundo espiritual e como uma prática que pode trazer benefícios para o indivíduo.

A palestrante começa explicando que a oração é uma forma de conexão com Deus e com os espíritos superiores, permitindo que as pessoas expressem seus sentimentos, pensamentos e necessidades. Ela enfatiza que a oração não é apenas uma solicitação de favores, mas também uma oportunidade de agradecer e expressar gratidão.

Orar é identificar-se com a maior fonte de poder de todo o Universo, absorvendo-lhe as reservas e retratando as leis da renovação permanente que governam os fundamentos da vida.
— Emmanuel, no livro Pensamento e Vida (psicografia de Francisco Candido Xavier).

Como orar

A oração pode ser feita de diferentes maneiras. Podemos orar através de palavras, falando em voz alta ou mentalmente. Podemos orar através de pensamentos, direcionando nossos pensamentos para Deus, para os espíritos de luz. E também podemos orar através de sentimentos, emanando amor, gratidão, compaixão.

A prece impulsiona as energias recônditas do coração, libertando- as com as imagens de nosso desejo, por meio da força viva e plastificante do pensamento, imagens essas que, ascendendo às Esferas Superiores, tocam as inteligências visíveis ou invisíveis que nos rodeiam, pelas quais comumente recebemos as respostas do Plano Divino, por quanto o Pai Todo-Bondoso se manifesta igualmente pelos filhos que se fazem bons.
— Emmanuel, no livro Pensamento e Vida (psicografia de Francisco Candido Xavier).

Orar e pedir

É importante lembrar que a oração não é uma forma de pedir favores a Deus, como se ele fosse um gênio da lâmpada que vai realizar todos os nossos desejos. A oração é um momento de conexão, de entrega, de confiança. 

É um momento em que nos colocamos nas mãos de Deus, confiando que ele sabe o que é melhor para nós.

Orar, entretanto, não é apenas falar a Deus, em longos recitativos, ou guardar a alma em atitude extática numa contemplação inoperante e improcedente. Com o Senhor aprendemos que orar é servir, convertendo dificuldades em bênçãos e acendendo lâmpadas da esperança nas sombras por onde seguem as almas.
— Joanna de Angelis, no livro Espírito e Vida (psicografia de Divaldo Pereira Franco).

A oração também é uma forma de receber auxílio espiritual. Quando oramos, estamos abrindo um canal de comunicação com os espíritos de luz, com os nossos guias espirituais. Eles podem nos enviar energias positivas, nos inspirar, nos orientar. Através da oração, podemos receber respostas, intuições, sinais.

A prática da oração

A oração não deve ser apenas um momento isolado em nossas vidas, mas sim uma prática constante. Cultive o hábito da oração diária, reservando um tempo para se conectar com Deus e com os espíritos superiores.

No livro Pão Nosso, Emmanuel também aborda a importância da oração como um meio de transformação interior. Ele nos convida a utilizar a oração como uma ferramenta para o autoconhecimento, para o desenvolvimento de virtudes e para a superação de nossas limitações.

Ele nos ensina que a oração é uma forma de elevar nossos pensamentos e sentimentos, de nos sintonizarmos com as energias superiores. Ele afirma que, através da oração, podemos nos fortalecer espiritualmente, adquirir sabedoria e encontrar a paz interior.

A oração nos permite estabelecer uma conexão com o mundo espiritual, fortalecer nossa fé, receber auxílio espiritual e promover nossa transformação interior. É uma ferramenta poderosa que nos ajuda a encontrar equilíbrio, paz e harmonia em meio aos desafios da vida.

Oração e caridade

É importante direcionar nossas orações não apenas para nós mesmos, mas também para o bem-estar e a felicidade de todos os seres. A oração não deve ser egoísta, mas sim um ato de amor e compaixão.

Senhor, ensina-nos a orar sem esquecer o trabalho, a dar sem olhar a quem, a servir sem perguntar até quando, a sofrer sem magoar seja a quem for, a progredir sem perder a simplicidade, a semear o bem sem pensar nos resultados, a desculpar sem condições , a marchar para a frente sem contar os obstáculos, a ver sem malícia, a escutar sem corromper os assuntos, a falar sem ferir, a compreender o próximo sem exigir entendimento, a respeitar os semelhantes sem reclamar consideração, a dar o melhor de nós, além da execução do próprio dever sem cobrar taxas de reconhecimento.
Senhor, fortalece em nós a paciência para com as dificuldades dos outros, assim como precisamos da paciência dos outros para com as nossas próprias dificuldades. Ajuda-nos para que a ninguém façamos aquilo que não desejamos para nós. Auxilia-nos sobretudo a reconhecer que a nossa felicidade mais alta será invariavelmente aquela de cumprir os desígnios, onde e como queiras, hoje, agora e sempre.
— Emmanuel, no livro A Luz da Oração (psicografia de Francisco Xavier).

Portanto, além de orar por nossas próprias necessidades, é importante lembrar de incluir em nossas preces aqueles que estão passando por dificuldades, os enfermos, os desamparados e todos aqueles que precisam de auxílio espiritual. A oração coletiva também é uma forma poderosa de unir forças e enviar energias positivas para o mundo.

Orai e vigiai

Ao orarmos, nos comunicamos com outros espíritos e, se precisarmos de ajuda, eles nos responderão. Para isso precisamos estar atentos para receber estes sinais. 

O nosso mundo íntimo, embora muitas vezes imperceptível aos encarnados, não escapa ao conhecimento dos desencarnados. Valendo-se desse aspecto, o espírito mal-intencionado, porém inteligente e sagaz, pode aproximar-se de um indivíduo desavisado e elaborar detida análise das correntes filamentosas do pensamento, com o intuito de identificar os filamentos energéticos correspondentes às ideações inferiores.
— do livro Mentomagnetismo e Espiritismo, por Gustavo Henrique de Lucena e Vitor Ronaldo Costa.

E o mesmo vale para oração como meio de sintonizar esses filamentos energéticos com elevadas vibrações.

Buscar no auxílio da prece e no comportamento equilibrado de cada dia, robustecer o próprio campo vibratório mental, de modo a dificultar a sintonia com os pensamentos e ideações infelizes…”
— do livro Mentomagnetismo e Espiritismo.

É importante, para concluirmos, lembrar que a oração não é um substituto para a medicina terrena, mas sim uma prática que nos auxilia em todo o processo de dificuldades. Ela nos conecta com o divino, nos traz paz interior e nos ajuda a encontrar forças para enfrentar os desafios que a vida nos apresenta.

Portanto, ao enfrentar problemas de saúde, não devemos negligenciar a importância da medicina terrena. Devemos buscar tratamentos adequados, seguir as orientações médicas e confiar nos profissionais da área. Ao mesmo tempo, recorrendo à oração como uma forma de fortalecimento.

Acompanhe agora a íntegra da palestra que inspirou esta publicação:

*Colaborou para esta publicação: Larissa Martins.
**Imagem em destaque via pexels.com.

Categorias: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *