Jesus anunciou que muitos se valeriam de Seu nome para perseguir, guerrear, usurpar, condenar, queimar e praticar tantas outras atrocidades em nome do Cristianismo.

Débora Homobono, do Centro Espírita Amor e Humildade do Apóstolo, localizado no centro de Florianópolis, nos trouxe esclarecedora palestra, transmitida pela AEFC, acerca do tema contido no Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo 21, “Haverá falsos cristos e falsos profetas”.

Três alertas de Jesus

1. Haverá falsos cristos e falsos profetas

Como nos apontam os evangelhos de Mateus 24:5 e Marcos 13:6.

Tende cuidado para que alguém não vos seduza; porque muitos virão em meu nome, dizendo: “Eu sou o Cristo”, e seduzirão a muitos.

As Cruzadas são um triste exemplo desta natureza, quando guerras foram feitas em nome de Jesus, em nome do Cristianismo.

Ainda hoje, muitos se utilizam do nome do Cristo visando o poder, benefícios pessoais ou quaisquer outros intentos que em nada correspondem à obra de Jesus ou aos seus exemplos.

2. O esfriamento da caridade

Levantar-se-ão muitos falsos profetas que seduzirão a muitas pessoas; e porque abundará a iniquidade, a caridade de muitos esfriará.
— Mateus 24:11 e 12.

Muitas pessoas se desiludiram e deixaram de acreditar no Cristo e em Deus, na religião, por causa daqueles que se diziam ou dizem ser Seu representante na Terra, porém agem completamente diferente do que Jesus pregou ou exemplificou.

3. Os escolhidos poderão ser enganados

Então, se alguém vos disser: “O Cristo está aqui, ou está ali”, não acrediteis absolutamente; porquanto falsos cristos e falsos profetas se levantarão e farão grandes prodígios e coisas de espantar, ao ponto de seduzirem, se fosse possível, os próprios escolhidos.
— Mateus 24:23 e 24; Marcos:21 e 22.

Estes alertas do Mestre nos convidam a refletir sobre a gravidade de aceitarmos, sem analisar, aquelas “verdades” que nos são apresentadas por quem se diz representante do Cristo aqui na Terra.

Falsos profetas e atualidade

Os alertas do Cristo são muito apropriados para os tempos vividos atualmente.

A mídia tem atribuído uma terminologia a esse fenômeno de disseminação de notícias falsas, as fake news. Tornou-se muito fácil compartilhar um texto, uma mensagem, uma notícia e exige de nós um critério de análise muito rigoroso antes de divulgá-las, a fim de que não nos tornemos agentes da instauração do ódio, do terror, da tristeza, da falta de esperança entre as pessoas.

O discernimento e o bom senso são fundamentais nesse processo de análise, refletindo sobre a qualidade dessas informações que chegam até nós e das consequências que poderão causar com sua divulgação.

Falsos profetas e mediunidade

Quando se trata de comunicação mediúnica, não nos esqueçamos que todas mensagens são provenientes de espíritos, seja encarnados ou desencarnados e precisamos avaliar se fazem sentido ou não.

Allan Kardec nos orienta em O Livro dos Médiuns que devemos analisar todas as comunicações, bem como o apóstolo Paulo dizia: “verificai se os espíritos são de Deus”.

Através da inteligência e da intuição, Deus nos possibilita fazermos boas escolhas sobre tudo que vemos, recebemos, ouvimos, a fim de que tomemos as decisões e providências mais acertadas.

Bons profetas

Kardec pergunta aos espíritos:

Qual o caráter do verdadeiro profeta?
“O verdadeiro profeta é um homem de bem, inspirado por Deus. Podeis reconhecê-los pelas suas palavras e pelos seus atos. Impossível é que Deus se sirva da boca de um mentiroso para ensinar a verdade”.
— O Livro dos Espíritos, Questão 624.

A palestrante nos convida a refletir:

Aquele que é enviado por Deus, que pode ser qualquer um de nós, se nós nos permitirmos ser mensageiros do bem, se nós nos permitirmos ser instrumentos de Deus para fomentarmos a paz, a concórdia, união, esperança, a fé, então as nossas ações, as primeiras mudanças que vão acontecer são em nós mesmos.
— Débora Homobono.

Mensageiro do Cristo

A palestrante ressalta a mensagem trazida pelos espíritos acerca dos verdadeiros mensageiros de Jesus:

Não, não, o Cristo não está entre esses, porquanto os que Ele envia para propagar a sua santa doutrina e regenerar o seu povo, serão, acima de tudo, seguindo-lhe o exemplo, brandos e humildes de coração; os que hajam, com os exemplos e conselhos que prodigalizem, de salvar a Humanidade, que corre para a perdição e pervaga por caminhos tortuosos, serão essencialmente modestos e humildes. De tudo o que revele um átomo de orgulho, fugi, como de uma moléstia contagiosa, que corrompe tudo em que toca. Lembrai-vos de que cada criatura traz na fronte, mas principalmente nos atos, o cunho da sua grandeza ou da sua inferioridade.

— O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. 21, item 8.

No momento atual, nos deparamos, frequentemente, com falsos divulgadores de conhecimento e da verdade e, devido à nossa invigilância, acabamos sendo divulgadores dessas informações falsas.

Débora Homobono encerra sua palestra com a mensagem “Falsos Profetas” de Emmanuel, psicografada por Francisco Cândido Xavier, contida na obra Levantar e Seguir, em que o autor espiritual nos alerta para que tenhamos cuidado, pois também nós poderemos ser falsos profetas, quando divulgamos informações ou seguimos orientações sem que utilizemos o crivo da razão.

Falso profeta não é somente aquele que perturba o serviço da fé religiosa.
Sempre que negamos a execução fiel dos nossos deveres, somos mistificadores, diante da Lei Divina, que nos emprestou os dons da Terra, em favor do aprimoramento de nós mesmos. Na maledicência, somos falsos profetas da fraternidade.
Na discórdia, somos mistificadores da paz.
Na preguiça, somos charlatões do trabalho. Na indiferença, somos inimigos do dever. Toda vez que olvidamos as nossas obrigações de solidariedade para com os nossos semelhantes, que prejudicamos o serviço que nos cabe atender, que fugimos aos nossos testemunhos de humildade, que oprimimos as criaturas inferiores, somos falsos profetas do ideal superior que abraçamos com o Cristo. A Terra é a nossa escola. O Lar é o nosso templo. O Próximo é o nosso irmão.
A Humanidade é a nossa família. A Luta é o nosso aprendizado. A Natureza é o livro sublime da vida.
Não nos esqueçamos, assim, de que, um dia, seremos chamados à prestação de contas dos talentos e dos favores que hoje desfrutamos, para resgatar o dia de ontem e santificar o dia de amanhã.
— Emmanuel, no livro “Levantar e Seguir”, pela psicografia de Francisco Candido Xavier.

Acompanhe na íntegra a palestra que inspirou esta publicação:

*Colaborou para esta publicação: Sandra Lemos.
** Imagem em destaque:
Anastasia Shuraeva via Pexels.

Categorias: Notícias

1 comentário

Débora Homobono · 26 de abril de 2021 às 12:53

Parabéns pelo trabalho bem organizado e elaborado. Divulgar a Doutrina Espírita, sobretudo o Evangelho do Cristo, é um grande desafio para todos nós exigindo discernimento e fidelidade doutrinária. Gratidão! Paz a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *