Para o espiritismo, não há um dia especial em que se comemora o Ano Novo, ou qualquer outra cerimônia ritualística. Todo dia é de trabalho e de renovar-se.

Como afirma o benfeitor espiritual André Luiz no livro Conduta Espírita: “O espírita não se prende a exterioridades”. Inclusive ele nos recomenda afastar-nos de festas que se destacam pelos excessos e desregramentos. Já que “a verdadeira alegria não foge da temperança”.

Entretanto, inseridos na cultura ocidental, no ano novo, há um sentimento coletivo de renovação e esperança. Um movimento externo que pode ajudar a movimentar algo internamente. 

E por que não, aproveitar este ensejo para reafirmar nossos votos de aprimoramento íntimo, de fé e bom ânimo? 

Por isso, o Evangelho no Lar realizado no instagram da Associação Espírita Fé e Caridade traz o tema neste domingo: “O Ano Novo na visão espírita“. Na ocasião, Emília Chagas e Débora Homobono nos ajudam a refletir sobre esse momento.

O que desejas para o ano novo?

3…2…1… “Feliz Ano Novo!” Desejamos saúde, sucesso, amor e felicidade… só coisas boas, porém de forma exterior, conforme o mundo vê. O que é verdadeiramente cada uma dessas coisas?

Quanto mais evoluirmos, mais nossos desejos e esperanças serão conforme a lei de Deus, que seja feita a vontade dEle, antes da nossa.

Há diferença entre querer e precisar. O que queremos, na maioria das vezes não é o que precisamos para crescer espiritualmente. As aflições, sejam doenças, sejam tantas outras situações desafiadoras, são necessárias no nosso nível evolutivo. E que venham!

Sê bem-vinda doença expiatória, que desperta e cura minha alma. Sê bem-vinda dificuldade financeira, que me ensina a humildade e o trabalho dignificante. Sede bem-vindas pessoas difíceis, que me desafiam a crescer moralmente, na virtude da paciência, da indulgência e do perdão. Enfim, sede bem-vindas, nos próximos 365 dias, tantas outras oportunidades de aprendizado moral e intelectual!

Isso não quer dizer que devemos buscar sofrer! Mas sim, olhar para a dor que nos chega com outros olhos. Há tantos convites de Jesus para amar por detrás de nossos problemas…

Afinal queremos evoluir ou não? Quantas reencarnações necessitaremos para decidir assumir compromisso a favor de nossa fecilidade real?

Vale lembrar que a resignação diante das aflições, está longe de ser aceitação passiva, muito pelo contrário, é ação constante. É buscar melhorar a própria situação com uso dos recursos terrenos e espirituais. É compreender que há motivos, nesta existência ou em anteriores que explicam tudo, que me livra da revolta.

O tempo todo atraímos o que vibramos, seja prova ou expiação, somos tal qual antena, captando ondas de mesma frequência que emitimos.

Essa é a fé raciocinada que a doutrina espírita nos convida. Traz ao mesmo tempo consolo e responsabilidade.

Transformar-se

Nosso desejo que é possamos enxergar as aflições rasgando o véu da ilusão, e capturar com afinco essas chances de evoluir. 

Desejo de se despir do homem velho, orgulhoso e egoísta. Para deixar transparecer nossa essência divina, em que veremos o homem novo, mais humilde e caridoso.

É hora de ampliar nossa visão, por meio do estudo. De estar mais consciente no cotidiano de quem sou e qual meu dever. É treinar a lei de amor na prática, conosco e com nossos irmãos, a fim de sentir-se em harmonia com a lei divina.

Sempre que pedirmos com confiança, para nós ou para o próximo, coragem, paciência e resignação, Deus concederá.

Retrospectiva

Aproveitemos para iluminar nossos pensamentos com o que a doutrina espírita nos oferece. Revisemos o ano que passou com o olhar espírita: 

  • Estamos mais próximos daquilo que gostaríamos ser, ou mais distantes?

Sem cobrar perfeição da noite para o dia. Precisamos admitir e acolher nossas sombras com amor, para pemitir que nossa luz brilhe mais forte. Para isso, necessitamos de coragem e perseverança, para nos aproximar mais do alvo da caridade e humildade.

  • Enxuguei mais lágrimas que derramei?

Coloquemos na balança o quanto buscamos consolar ou ajudar nossos irmãos, seja familiares terrenos ou desconhecidos, e o quanto reclamamos da vida bucando compreensão alheia. Todos querem falar dos problemas, mas ninguém ouvir. A conta não fecha. Ouvir é uma arte.

  • Busquei a saúde física, mental, emocional e espiritual?

O “vaso físico” do espírito necessita de cuidados. Mas o espírito, que é imortal, requer equilíbrio emocional e uma mente sadia, em vigilância e oração, para seguir agindo no bem.

A paciência, respeito, mansuetude, afabilidade e perdão são escolhas diárias, que exigem dedicação e esforço mesmo!

Reforma íntima de todos os dias

Portanto, acima de tudo, que possamos fazer não só a retrospectiva de 2023, mas à retrospectiva de CADA dia antes de dormir. Revisando nossas ações, pensamentos e sentimentos, a fim de nos conhecer.

Como nos traz a mensagem de Santo Agostinho em O Livro dos Espíritos:

Fazei o que eu fazia da minha vida sobre a Terra: ao fim da jornada, eu interrogava minha consciência, passava em revista o que fizera, e me perguntava se não faltara algum dever, se ninguém tinha nada a se lamentar de mim. […]
Examinai o que podeis ter feito contra Deus, contra o vosso próximo, e enfim, contra vós mesmos. As respostas serão um repouso para vossa consciência ou a indicação de um mal que é preciso curar.
— Santo Agostinho, O Livro dos Espíritos, questão 919-a.

Lembremos de observar não apenas o que pensamos, falamos e agimos, o que já seria bastante. Mas também nossos sentimentos, pois eles revelam mais claramente nossa intimidade. Como diz Amélia Rodrigues no livro Luz do Mundo:

O servidor do Evangelho deve fiscalizar com sincera acuidade as nascentes íntimas dos sentimentos. De modo a cercear no começo os adversários cruéis, que são egoísmo e orgulho […]
— Amélia Rodrigues, Luz do Mundo, psicografia de Divaldo Pereira Franco.

Tranformemos em hábito diário orar antes de dormir, fazendo autoanálise sincera, e pedindo firmeza moral ao acordar. 

Bússola do ano novo e da vida

Se conhecer é saber em qual direção nosso barco está tomando para o ano que se inicia. É saber sua posição atual. É encontrar-se, nem que seja para perceber que se está “à deriva”.

Conhecer o Evangelho, é como encontrar uma bússola, com Jesus apontando o Norte! É ter apoio constante em cada tempestade que possa surgir em meio ao caminho. É encontrar acolhimento, consolo e paz quando se mais precisa. É saber que nunca se está sozinho!

Mas essa viagem rumo à felicidade somos nós que temos que fazer. Jesus e os Espíritos amigos nos pegam pela mão e nos ajudam a levantar, todavia não podem caminhar por nós. Deus nos concedeu a benção de ter nosso mérito. Façamos a nossa parte e confiemos nEle.

Gratidão

Que a esse sentimento brote de nosso Ser… Gratidão por estarmos reencarnados aqui! Sabemos da importância dessa oportunidade de trajetória na Terra.

Esse momento é o ápice da nossa evolução, visto que não retroagimos. Hoje somos melhores que ontem, amanhã melhores que hoje. Cultivemos o hábito de agradecer pela bênção de cada dia. 

Lembremos das experiências que tivemos ao longo do ano que passou. A dificuldades que atravessamos e superamos, o desenvolvimento da nossa inteligência e da capacidade de discernimento, de solucionar as problemáticas da vida.

Enfim, busquemos olhar para cada pequena conquista nossa, cientes que as mesmas são essenciais para as grandes conquistas do espírito imortal. 

Aqui estamos, ano novo, para mais uma nova etapa, para um novo dia de aprender e agir. Que possamos te ver com otimismo, alegria, coragem e confiança.

Janeiro a Janeiro, renova-se o ano, oferecendo novo ciclo ao trabalho.
É como se tudo estivesse a dizer : “Se quiseres, podes recomeçar.”
— Emmanuel, no livro Palavras de Vida Eterna (capítulo 1).

Carta de ano novo

Por fim, convidamos o leitor a ler a seguinte carta que Emmanuel nos oferece:

– Ano Novo é também a renovação de nossa oportunidade de aprender, trabalhar e servir. – O tempo, como paternal amigo, como que se reencarna no corpo do calendário, descerrando-nos horizontes mais claros para a necessária ascensão.
– Lembra-te de que o ano em retorno é novo dia a convocar-te para execução de velhas promessas, que ainda não tiveste a coragem de cumprir.
– Se tens algum inimigo, faze das horas renascer-te o caminho da reconciliação.
– Se foste ofendido, perdoa, a fim de que o amor te clareie a estrada para a frente.
– Se descansaste em demasia, volve ao arado de tuas obrigações e planta o bem com destemor para a colheita do porvir.
– Se a tristeza te requisita, esquece-a e procura a alegria serena da consciência feliz no dever bem cumprido.
Novo Ano! Novo Dia!
– Sorri para os que te feriram e busca harmonia com aqueles que te não entenderam até agora.
– Recorda que há mais ignorância que maldade, em torno de teu destino.
– Não maldigas, nem condenes.
Auxilia a acender alguma luz para quem passa ao teu lado, na inquietude da escuridão.
– Não te desanimes, nem te desconsoles.
Cultiva o bom ânimo com os que te visitam, dominados pelo frio do desencanto ou da indiferença.
– Não te esqueças de que Jesus jamais se desespera conosco e, como que oculto ao nosso lado, paciente e bondoso, repete-nos de hora a hora: “Ama e auxilia sempre. Ajuda aos outros, amparando a ti mesmo, porque se o dia volta amanhã, eu estou contigo, esperando pela doce alegria da porta aberta de teu coração”.
— Emmanuel, no livro Vida e Caminho, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

A AEFC trata do tema do significado do Ano Novo para a Doutrina Espírita no Evangelho no Lar, que acontece todos os domingos às 20h pelo Instagram.

Confira agora a transmissão feita na noite do Ano Novo:

*Colaborou para esta publicação: Ana Maria Beims Lopes.

**Imagem em destaque: via Pexels.com

Categorias: Notícias

1 comentário

Solange Volpato · 1 de janeiro de 2024 às 09:07

Ao acordar e ler um texto tão esclarecedor da nossa responsabilidade e propósito como espíritos imortais que somos nos coloca um despertar diário.
Gratidão
E feliz 2024 a todos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *